Novo normal e reinvenção profissional foram temas abordados pelo campus na Semana de Desenvolvimento Profissional

Postado por: Marco Santos

Na última semana, nos dias 4 e 5, o Campus de Aquidauana (CPAQ) marcou presença na Semana de Desenvolvimento Profissional (Sedep) 2021. A programação teve duas atividades on-line que levantaram discussões sobre as competências no novo normal e o poder de se reinventar no contexto profissional.

Na noite do dia 4, às 19h, a professora Adriana Wagner iniciou as atividades do evento apresentando vídeos de egressos de graduação do CPAQ no ambiente profissional, relatando como seu curso ajudou em sua profissão.

A diretora do Campus de Aquidauana, Ana Graziele Lourenço Toledo, também esteve presente na ação e discursou sobre o processo de se desenvolver profissionalmente. “A carreira é de responsabilidade do indivíduo e as decisões que tomamos acerca disso devem visar em como pensamos o nosso futuro e a nossa vida daqui alguns anos. Onde eu quero estar? Com quem eu quero estar? Todas as respostas a essas perguntas irão se consolidando, assim como o nosso planejamento de carreira”, disse.

Após as declarações iniciais, foi realizada a palestra “No novo normal todo mundo é calouro (saiba algumas competências essenciais para a volta às atividades presenciais)”, ministrada pela psicóloga Sâmela Maria Feitosa da Rocha, com mediação da professora Adriana Wagner.

Durante a atividade, Sâmela apresentou a construção do ser humano e as consequências produzidas pela pandemia. “Toda pessoa é composta por três frentes: a parte biológica, psicológica e a social. O contexto social e as relações humanas foi a parte mais afetada pela pandemia, pois é nesse ambiente que treinamos nossas habilidades inatas, no convívio social”, enfatiza.

 

 

A psicóloga ainda explicou o porquê da Covid-19 ser mais impactante do que as outras doenças. “Primeiro, pela iminência da morte, ela é muito rápida. Segundo, porque ela nos convida a aceitar que não há o que nós façamos sobre o comportamento do outro. Posso criar um ritual de álcool em gel, máscara e ficar em casa, mas não posso condicionar o outro a fazer esse mesmo protocolo. A Covid-19 nos convida a enfrentarmos tudo isso sozinhos”.

Após a palestra, o público teve a oportunidade de fazer perguntas para a convidada. Questionada sobre como trabalhar a ansiedade enquanto as aulas não voltam, a profissional explicou que “a ansiedade existe como sintoma e como doença. Ela, como doença, necessita de um especialista para analisar o caso, mas a ansiedade como sintoma pode ser trabalhada a partir das práticas de atividades físicas, fazer crochê, pinturas e lazer, que liberam os hormônios da felicidade”, disse. “Toda vez que materializo a minha ansiedade em um comportamento clichê e coletivamente prazeroso, eu reduzo o sintoma ansioso”, conclui.

 

O poder de reinventar-se no contexto profissional

 

Na noite de quinta-feira, 5, às 19h, as atividades foram iniciadas com a apresentação musical do estudante Renahn dos Santos Lopes, que interpretou as músicas Apenas mais uma de amor e A vida é um rio.

A mesa-redonda intitulada “O poder de reinventar-se: desafios e adaptações em contexto profissional”, reuniu convidados de diversas áreas, como a empreendedora Carolina Santos Marques, a diretora da Escola Estadual Coronel José Alves Ribeiro, Cristiane Niz Barcelos; a enfermeira Daniele Ferreira de Souza, o músico Rangel Aparecido Arguilheira Castilho e o professor Rogério Rodrigues Farias. A ação foi mediada pela professora Karoline Ferreira Kinoshita Goes.

A convidada Cristiane relatou as mudanças que ocorreram na gestão da escola Coronel José Alves Ribeiro após o surgimento da pandemia. “A equipe rapidamente se organizou para aprender, reaprender e fortalecer o que já sabia. Quando que poderíamos imaginar que conseguiríamos dar aulas pelo Meet, fazer ligação coletiva para explicar conteúdo ao estudante e achar mecanismos para isso? Tivemos que melhorar a internet da escola para que os professores pudessem gravar as aulas nesse ambiente. É uma superação estrutural e pessoal dentro de cada profissional”, conta.

Em sua fala, o professor Rogério compartilhou os desafios de ministrar aulas remotas aos estudantes. “Tivemos que adaptar metodologias, cronogramas e orçamento. Foi uma série de mudanças que aconteceram e por isso tivemos que tentar até o nosso alcance aprender coisas novas”, disse. Sobre a permanência das tecnologias digitais no cotidiano acadêmico após a pandemia, o convidado enfatiza que “é um caminho sem volta. É importante nos preocuparmos enquanto formadores de profissionais que devemos agregar esse contexto para a formação profissional”, conclui.

Para o músico Rangel, o setor cultural foi o mais afetado pelas restrições de distanciamento social e biossegurança. “Nós fomos a classe mais penalizada durante esse processo, pois houveram vários decretos que proibiam eventos e shows ao vivo até uma semana e meia atrás, quando fomos liberados para isso. Muitos músicos que não tinham uma estrutura financeira, tiveram que mudar de profissão”, declara.

“Na área hospitalar, foi difícil aprender a se equipar com os equipamentos de proteção sem se contaminar. Em relação ao setor de vigilância epidemiológica, nós ali dentro tivemos que estudar muito e buscar conhecimento, pois era tudo muito novo. Foi o momento de um compartilhar o conhecimento com o outro para ver o que poderíamos fazer pela nossa cidade”, relata a enfermeira Daniele Ferreira de Souza sobre o início da pandemia.

A empreendedora Carolina Santos Marques compartilhou a experiência de abrir um novo empreendimento diante das incertezas do cenário atual. “Foi um baque no início, pois quando veio a pandemia nós já estávamos em reforma. Com o comércio parado, não conseguíamos maquinário, então 2020 foi um ano muito difícil. A vacinação na cidade nos motivou a inaugurar o negócio, e nós tivemos que nos reinventar”, conta.

As atividades do CPAQ na Semana de Desenvolvimento Profissional reuniram professores, estudantes, técnicos e comunidade externa, totalizando mais de 800 visualizações.

 

Veja os vídeos disponibilizados pelo Campus de Aquidauana

 

  • “Mídias sociais e comunicação: quando os universos pessoal e profissional se entrecruzam”, pela Profª. Dra. Daniela de Souza Silva Costa da UFMS/CPAQ: clique aqui.
  • “Elaboração de currículo”, pela Profª. Me. Karen dos Reis Fernandes Teixeira do Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza: clique aqui.
  • “Processo Seletivo Online – Etapas”, pela Profª. Me. Karen dos Reis Fernandes Teixeira do Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza: clique aqui.
  • “Rede Social Profissional – Linkedin”, pela Profª. Me. Karen dos Reis Fernandes Teixeira do Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza: clique aqui.

 

Texto e imagens: Juliana Ovelar (estagiária da Agecom no CPAQ)

Compartilhe:
Veja também