Histórico do Curso

Para falar da criação e implantação do Curso de Matemática no Campus de Aquidauana, da UFMS, vamos retornar ao túnel do tempo – na década dos anos 70 – quando foi lançada a semente para o funcionamento do primeiro curso Universitário em Aquidauana.

Nesta época o Estado de Mato Grosso era um, com a capital em Cuiabá. Em Campo Grande funcionava a Universidade Estadual de Mato Grosso – UEMT. Todas as decisões políticas eram tomadas em Cuiabá. A falta de professores habilitados na cidade de Aquidauana e região era imensa. Exerciam a profissão no magistério alguns militares que vinham servir o exército local, profissionais liberais como dentistas, médicos, engenheiros, advogados, os ex-alunos que terminavam o Curso Normal, ou, o 2º grau, que corresponde ao ensino médio de hoje.

No ano de 1970 diversas autoridades aquidauanenses e alguns filhos da terra que concluíram seus cursos superiores em outros estados e retornaram para Aquidauana reuniram-se para tomarem as primeiras providências visando a criação de uma Instituição Universitária nesta cidade.

Inicialmente, no ano de 1971, foram implantados no Centro Pedagógico de Aquidauana – CPA – extensão da Universidade Estadual de Mato Grosso – os cursos de Letras/Português, Letras/Inglês e Estudos Sociais. Uma parte das necessidades docentes foi suprida, porém, a área das Ciências Exatas não foi contemplada neste primeiro momento.

Em 1975 começou a funcionar o Curso de Ciências – Habilitação Curta – que dava autorização ao graduando de ministrar as disciplinas de Ciências e Matemática para o primeiro grau. Nesta época chegaram os primeiros professores habilitados em Matemática para atuarem no curso de Ciências – Prof. Silvia Salles Públio e logo em seguida o Prof. Antonio Luiz Delachiave – o Ticão. Em 1978, por ocasião do afastamento do prof. Ticão, para cursar o mestrado, o Prof Francisco Roberto Rossi passou a substituí-lo, ministrando aulas no Curso de Ciências neste Campus.

Com a divisão do Estado de Mato Grosso, no ano de 1977, a Universidade Estadual de Mato Grosso, que tinha sede em Campo Grande foi Federalizada passando a denominar-se Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – UFMS, e o Campus de Aquidauana uma unidade vinculada a esta. Os governos do novo Estado deram início a contratação de professores, via concursos públicos, que atraíram muitos professores habilitados de outros Estados para esta região, principalmente de São Paulo.

Assim sendo, fez-se necessário que os aquidauanenses se habilitassem para poder concorrer a essas vagas, pois até então, as aulas de Biologia, Química, Física e Matemática, no 2º grau, eram ministradas pelos professores habilitados em Ciências – Licenciatura Curta e por aqueles vindos dos outros estados. Os alunos egressos do Curso de Ciências se mobilizaram no sentido de reivindicar e viabilizar a criação dos Cursos de Licenciatura em Biologia e Licenciatura em Matemática – Habilitação Plena.

Somente no ano de 1996, vinte e um anos após a criação do Curso de Ciências, o Conselho Universitário da UFMS autorizou a transformação deste curso, nos cursos de Matemática e de Biologia no Campus de Aquidauana, abrindo vagas para o vestibular no final daquele ano, com início de atividades previstas para o ano seguinte – em 1997. A grande maioria dos egressos do Curso de Ciências, acabou optando por cursar Biologia por ser no período noturno, pois muitos já estavam trabalhando nas escolas durante o dia, no entanto a Matemática foi autorizada a funcionar no período vespertino.

De acordo com o Projeto Pedagógico, a implantação seria de forma gradativa, ano a ano, e neste Projeto de Criação se previa que a cada ano de funcionamento do curso, seriam supridas as necessidades de professores, uma vez que tínhamos apenas três professores Habilitados em Matemática em condições de assumirem as aulas e levar o curso a frente, fato que não aconteceu, pois estas necessidades não foram supridas. A cada série implantada nos quatro primeiros anos, novas disciplinas eram introduzidas, porém o quantitativo de professores efetivos permanecia inalterado. Tivemos que nos adaptar à realidade da melhor forma possível, contratando os professores substitutos.

As dificuldades iniciais foram muitas: escassez de professores porque a cada dois anos tinham que ser substituídos conforme a legislação, bibliografia escassa, número de volumes mínimo, Laboratório de Ensino inexistente. Porém, a disposição para suprir estas necessidades foi maior, não faltava a vontade e a garra dos professores e da Direção do Campus, na época exercida pela profa Silvia Salles Públio para o êxito do curso. Muito se deve, também, aos Professores Substitutos que foram decisivos para a solidificação e melhoria do Curso, como a profa Susilene Garcia da Silva Oliveira – que hoje faz parte do corpo docente neste campus, Profa Edilene Simoes Costa dos Santos – professora no campus de Campo Grande, Prof. Aldrin Cleide da Cunha – ex. acadêmico do curso e atualmente professor no Campus da UFGD, em Dourados, Profa Ercilia Lemos, ex. acadêmica e professora nos ensinos público estadual e particular e tantos outros colaboradores que ajudaram a fortalecer o curso de Matemática em Aquidauana.

Lembramos, também, que algumas vezes, contamos com o auxílio de colegas do Campus de Campo Grande, que nas necessidades mais urgentes, se dispuseram a colaborar vindo ministrar cursos aqui.

Vale registrar também, um fato marcante que aconteceu no quinto ano de funcionamento do Curso, quando recebemos a visita da Comissão Especial de Avaliação do Ministério da Educação para realizar procedimentos de vistoria, in loco, com fins de recomendar ou não o reconhecimento do Curso. Vieram três professores avaliadores, sendo a presidente da Comissão uma mulher enérgica, contundente em suas atribuições, porém, justa. A comissão manteve contato com os professores, alunos, direção; vistoriaram a biblioteca, planos de ensinos, projeto pedagógico e registros acadêmicos – por três dias ficaram observando o funcionamento e registros do curso. Após a visita, foram embora informando que o resultado da avaliação seria comunicado em breve. A expectativa foi grande e demorada. Foi um momento de muita preocupação, pois sendo a primeira avaliação, se esta fosse desfavorável comprometeria a credibilidade do Curso e prejudicaria as duas turmas que já haviam concluído o curso e aguardavam o seu diploma.

O Curso recebeu o conceito “C” na avaliação, que foi considerado muito bom, haja vista todas as dificuldades que vivíamos com a falta de professores efetivos, biblioteca deficitária, mas a parte documental e administrativa foi apresentada em perfeita ordem. Daí em diante tivemos um pouco mais de atenção por parte do órgão central da universidade e fomos contemplados com a efetivação de dois professores nos anos seguintes – o prof. Glaucius Iahnke de Oliveira (2002) e a Profa Irene Magalhães Craveiro (2006).

Durante todo o período inicial de funcionamento do Curso de Matemática a preocupação com a comunidade externa foi sempre uma constante. Muitos cursos de extensão foram desenvolvidos voltados principalmente para alunos das Escolas Públicas Municipal e Estadual, com o intuito de levar os jovens para dentro da Universidade para que se sentissem acolhidos e fossem estimulados a darem continuidade aos seus estudos após a conclusão do ensino médio, fazendo-os perceber que a Universidade não era algo tão distante ou para poucos privilegiados.

Outras vezes, nossos acadêmicos iam até às escolas para atender alunos com dificuldades no aprendizado de matemática, desenvolvendo atividades de reforço escolar.

Durante grande parte deste período, o prof. Francisco Roberto Rossi ministrava aulas e acumulava as funções de Chefe do Departamento de Matemática e/ou Coordenador do Curso, se  aposentando em 2009.

Com tudo isso vivido, podemos dizer que os objetivos daqueles que idealizaram a instalação de cursos superiores em nossa cidade, foram e estão sendo alcançados. Com muita satisfação vejo que atualmente temos uma realidade bem diferente. Aquidauana hoje é uma cidade universitária. Conta, com duas universidades públicas, com diversos cursos de graduação, cursos de mestrados e doutorado. São raros os casos de professores leigos nas escolas, e até mesmo as escolas rurais são atendidas por professores habilitados e mais ainda, estamos recebendo alunos de outros Estados para cursarem aqui sua graduação e pós graduação.

Por Francisco Roberto Rossi, em palestra proferida no evento de comemoração de 20 anos do Curso de Matemática em 22 de agosto de 2017 (editado).

Em 2009, o Curso de Matemática recebeu 6 novos professores efetivos e hoje conta com oito docentes efetivos entre mestres e doutores – um ideal sonhado há muito tempo que atualmente se concretiza – e um Laboratório de Ensino de Matemática (LEMAq), fundado em 2007 pelas professoras Irene Magalhães Craveiro e Ercilia Lemos Silva.

Em 2017, o Curso celebrou seus 20 anos de existência, tendo formado 204 professores de Matemática até o ano anterior.