Histórico

A fundação do Curso de História do Campus de Aquidauana/UFMS

Quando da criação do Centro Pedagógico de Aquidauana (em 13 de agosto de 1970, tendo seu referente Decreto nº 1.146 publicado em 21 de agosto do mesmo ano no Diário Oficial do Estado de Mato Grosso), integrante da Universidade Estadual de Mato Grosso, três cursos foram criados, quais sejam: Letras, Ciências Físicas e Biológicas e Estudos Sociais. Todos se tratavam de Licenciaturas Curtas.
Desde a criação dos cursos de Estudos Sociais as entidades classistas os criticaram. A razão para isso era que os professores oriundos de tais cursos ministrariam as disciplinas Estudos Sociais, Organização Social e Política do Brasil e Educação Moral e Cívica no Primeiro Grau (Ensino Fundamental), História e Geografia no Segundo Grau (Ensino Médio), sem que se atentasse para as especificidades de cada uma das áreas. Isso fazia parte de um processo mais amplo de solapamento do campo das humanidades desencadeado pela instalação da Ditadura Civil-Militar no Brasil a partir de 31 de março de 1964. Justamente no bojo das amplas manifestações contrárias à permanência dos militares no poder – o que aglomerava grupos os mais distintos, da classe média às camadas populares, de analfabetos aos intelectuais e artistas – ganhou força o movimento de re-estabelecimento das disciplinas História e Geografia como cursos de nível superior autônomos.
Para além, os egressos do curso de Estudos Sociais do Centro Pedagógico de Aquidauana também criavam demanda por estes cursos. A antiga UEMT, transformada em Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, regulamentou o aproveitamento dos estudos feitos no curso de Estudos Sociais para ingresso sem vestibular no curso de História – Licenciatura Plena.
A primeira turma de História do Centro Universitário de Aquidauana – CEUA – era, de fato, uma turma do curso de História – Licenciatura Plena – criado em Três Lagoas. Os diplomas foram emitidos como se tais alunos houvessem cursado seus estudos naquele campus. Neste interregno, por meio da Portaria RTR/UFMS nº 108, de 14 de setembro de 1982, o curso de História – Licenciatura Plena – da UFMS, Centro Universitário de Aquidauana, foi criado, tendo iniciado suas atividades no primeiro semestre de 1983 e reconhecido pelo Ministério da Educação e Desporto em 11 de janeiro de 1988, por meio da Portaria nº 19. Os egressos do curso de História – Licenciatura Plena – da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campus de Aquidauana, estão, a partir de então, habilitados a ministrarem aulas de História nos ensinos Fundamental, Médio e Superior.

 

 E HOJE…

O Curso de Graduação em História, Licenciatura, do campus de Aquidauana da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, atende discentes oriundos da própria cidade de Aquidauana e, ainda, de Anastácio, Miranda, Dois Irmãos do Buriti, Bodoquena, Nioque, Jardim, Guia Lopes da Laguna, Antônio João e Bela Vista e Porto Murtinho. Como a modalidade original do curso é Licenciatura, os futuros Licenciados em História atuarão nas redes pública e privada de ensino, no Ensino Fundamental, Médio e Superior, especialmente no amplo território formado pelas cidades supra citadas.
Hoje, Aquidauana e os demais municípios demandam por profissionais na área de História. Quando da implantação do curso foi sinalizada a carência de Licenciados em História na região e, de lá para cá, manteve-se uma entrada de 40 (quarenta) discentes por ano, por meio do processo seletivo próprio da UFMS. Na região de influência da UFMS/CPAQ existe um grande número de instituições de ensino que demandam por profissionais capacitados na área.
Para além da docência, a própria UFMS, em seu campus de Aquidauana, mantém importantes fundos documentais no Centro de Documentação Histórica do Curso de História, que funciona nas dependências da Base de Estudos Históricos e Culturais das Bacias dos Rios Aquidauana e Miranda, BPRAM, a exemplo do “Câmara Municipal de Aquidauana”, do “Campus de Aquidauana”, do “Tribunal Regional do Trabalho – seção Aquidauana”, e dos Povos Indígenas da Região da Serra do Maracaju. Para além, o Museu de Arte Pantaneira Ruben Corrêa, e as prefeituras de Aquidauana, Anastácio e cidades circunvizinhas, dotadas de museus, arquivos e espaços da memória, demandam profissionais voltados para sua organização, manutenção e devida utilização para pesquisa e relação com as comunidades em questão. Fica claro, portanto, que o Curso de Graduação em História cumpre uma função social de grande relevância nesta região do Estado. Ressalte-se, também, que os cursos de Licenciatura passam por um processo de fortalecimento em todo o país, justamente em decorrência da nova Lei de Diretrizes e Bases (LDB) e das opções fornecidas pelo próprio mercado de trabalho.
Frente aos desafios de um mercado de trabalho em franca expansão, o quadro que atualmente se apresenta em Aquidauana, constitui um claro indicativo do descompasso entre a demanda e a oferta de professores de História efetivamente qualificados em seu campo de atuação. Situação que, não raro, leva as escolas de educação básica da região a incorporarem profissionais leigos na área como alternativa para o preenchimento das vagas ociosas, acarretando enormes riscos para a própria qualidade do ensino. Riscos tanto maiores, quanto mais se sabe o que é esperado de um profissional graduado em História. Além disso, as últimas reformulações do Curso de Graduação em História, Licenciatura Plena, visaram ampliar a formação teórica dos graduandos para atuação nas áreas de Patrimônio Artístico Cultural, Arqueologia, Arquivologia, Museologia e demais Espaços da Memória.
O intercâmbio direto do Estado com países vizinhos componentes do Mercosul, os esforços no sentido de inserir o estado no circuito turístico nacional e internacional, são alguns dos fatores que ensejam não só a possibilidade – mas, a necessidade – da ampliação de pesquisas de inúmeros aspectos relativos à história regional e sua conseqüente articulação à história do país e do continente, como transformam o historiador em elemento fundamental nos estudos de impactos econômicos e sociais, na formulação e execução de projetos de políticas públicas de turismo, de gestão do patrimônio artístico cultural, etc.. Em suma, no atual estágio de desenvolvimento global, o domínio da História assume dimensões efetivamente estratégicas.

DESCRIÇÃO DO CURSO

 O Curso de Graduação em História, Licenciatura, do campus de Aquidauana, UFMS, propõe gerar, sistematizar e socializar conhecimentos, saberes e valores, por meio de ensino, pesquisa e extensão de excelência, formar profissionais e cidadãos capazes de transformar a sociedade no sentido de promover a justiça social. Como a modalidade original do curso é Licenciatura, os futuros Licenciados em História atuarão nas redes pública e privada de ensino, nos níveis Fundamental, Médio e Superior. Os museus, arquivos e espaços da memória também demandam profissionais da área de história voltados para sua organização e manutenção. Além disso, empresas privadas têm recorrido com freqüência aos profissionais voltados para produção do conhecimento histórico. Nosso curso também conta com o Centro de Documentação Histórica (CeDHis), nas dependências da Base de Estudos Históricos e Culturais das Bacias dos Rios Aquidauana e Miranda (BPRAM). Atualmente, os seguintes fundos documentais podem ser consultados no Centro de Documentação:  “Câmara Municipal de Aquidauana”,  “Campus de Aquidauana”,  “Tribunal Regional do Trabalho – seção Aquidauana”, “Casa da Memória”, “Meios de Comunicação Regionais” e dos “Povos Indígenas da Região da Serra do Maracaju”. Também contamos com os seguintes laboratórios para realização de atividades de ensino, pesquisa e extensão universitária: Laboratório de História Indígena (LHIN), Laboratório de Apoio à Pesquisa e à Prática Pedagógica ( LAPHIS), Laboratório de Estudos em Cultura & Diversidade, Política & Sexualidade (LabDiS) e Laboratório de Estudos da Imprensa, Imagem e Som (LEIIS).

 OBJETIVO DO CURSO

  • Pautar-se por princípios e valores da ética democrática e profissional, reconhecendo e respeitando a diversidade dos sujeitos sociais;
  • Atuar com criticidade e autonomia intelectual, posicionando-se diante do quadro social e político;
  • Dominar as diferentes concepções teórico-metodológicas que referenciam a construção de categorias para a investigação e a análise das relações sócio-históricas;
  • Problematizar, nas múltiplas dimensões das experiências dos sujeitos históricos, a constituição de diferentes relações de tempo e espaço;
  • Conhecer os conteúdos básicos referentes às diferentes épocas históricas e regiões do mundo;
  • Saber ler e analisar os momentos históricos, levando em conta as relações de poder, as resistências e as alteridades;
  • Desenvolver pesquisas e utilizar resultados de pesquisa para se proceder a re-conceituação crítica e teórica de determinadas visões históricas que reproduzem uma História construída de cima para baixo, bem arrumada, que deu ênfase às elites políticas e econômicas;
  • Transitar pelas fronteiras entre a História e outras áreas do conhecimento, a fim de articular e pensar a prática profissional;
  • Coordenar e participar cooperativamente de equipes de trabalho em atividades de elaboração e desenvolvimento de projetos que possibilitem a atuação em diferentes espaços e contextos da prática profissional (escolas públicas, sindicatos, laboratórios, oficinas e disciplinas curriculares);
  • Elaborar, coordenar, executar, desenvolver e avaliar projetos de pesquisa, ensino e difusão, empenhando-se em compartilhá-los;
  • Fazer uso de recursos da tecnologia da informação e da comunicação de forma a aumentar as possibilidades de difusão e apreensão do conhecimento.

CARACTERÍSTICAS

Carga horária: 2.805 horas (3.366 horas-aula de 50min.)
Duração: UFMS: mínimo de 08 semestres; máximo de 12 semestres)
Vagas disponíveis: 40 (quarenta)
Entrada: O ingresso ocorre mediante Sistema Unificado de Seleção (SiSU) baseado no desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM); movimentação interna, transferências de outras IES e portadores de diploma de curso de graduação em nível superior, na existência de vaga; e transferência compulsória.
Turno: Noturno (de segunda-feira a sexta-feira) e manhã e tarde (aos sábados)